4.2 Acomodação

            Acomodação é um dos assuntos mais importantes para quem vai estudar fora do Brasil. Morar de forma confortável e à uma distância conveniente da universidade é fundamental para o progresso dos estudos. Todavia, o preço de boas acomodações pode ser alto. É normal se gastar uma fatia considerável da bolsa com aluguel, especialmente em London.[2]

Arrumar um bom lugar para ficar pode ser difícil. Não por falta de opções, mas porque a maioria delas é cara ou ruim. Recomendamos que os preparativos de moradia sejam realizados o quanto antes (ainda no Brasil). Em sua maioria, as universidades britânicas possuem um Accommodation Office (escritório de acomodação) para auxiliar os estudantes na busca de um local para morar. No entanto, a demanda tende a ser maior do que as vagas disponíveis e a lista de espera de algumas delas varia de 6 a 12 meses. Caso você não consiga garantir acomodação ainda no Brasil, não se desespere: sempre se pode arrumar algo temporário. No último dos casos pode-se ficar provisoriamente em um albergue ou hotel barato enquanto se procura um quarto ou apartamento para alugar em definitivo.

             4.2.1. Acomodação Temporária

 Caso seja necessária acomodação temporária antes de ir para sua morada final, procure um Bed and Breakfast. É uma acomodação mais barata do que hotel e, como o próprio nome diz, inclui quarto com café da manhã. O banheiro é, em geral, coletivo, mas existem opções de quartos com banheiro privativo, fato que pode deixar o valor um pouco mais alto. O custo médio aproximado em London varia de £30 a £60 por dia por um quarto single (solteiro) ou de £40 a £70 por dia por um quarto double (casal com cama de casal) ou twin (casal com camas de solteiro). Informações e reservas poderão ser feitas através de pesquisa e websites na internet.

Outra boa opção é alugar um quarto em casa de família. Isto pode custar entre £140 e £200 por semana para uma pessoa, dependendo de refeições estarem ou não incluídas no preço. Esta é uma ótima alternativa para se praticar a língua e viver uma rotina “tipicamente inglesa”. Por outro lado, a pessoa não tem muita liberdade, já que não está morando em sua casa mas alugando um quarto, o que significa uma série de regras a serem seguidas. Uma regra comum é a de não poder receber visitas. Alguns sites relacionados com este tipo de acomodação são:

Algumas universidades oferecem Guest Rooms (quarto de convidados) por um curto período de tempo. Entre em contato com o Accommodation Office antes da viagem e consulte preços e condições. O valor da diária, normalmente, é inferior ao do Bed and Breakfast e no período de férias (julho a setembro) não é muito difícil conseguir vagas.

            4.2.2. Acomodação Permanente

            As informações abaixo caracterizam de forma geral os tipos de acomodação disponíveis e sugerem alguns procedimentos de busca, oferecendo um ponto de referência a partir do qual você poderá direcionar sua procura.

De forma geral, pode-se falar em duas modalidades principais de acomodação:

a) Acomodação vinculada direta ou indiretamente à universidade. Correspondem às moradias estudantis no Brasil. Os tipos mais comuns são:

–       Hall of Residence: quarto para 1 ou 2 estudantes, normalmente com banheiro comunitário. Em alguns casos pode incluir refeições (Full Board);

–       Student Housing Association: instituições privadas, muitas vezes sem fins lucrativos, que oferecem acomodação para estudantes.

b) Acomodação operada por organizações independents ou indivíduos. Os tipos mais comuns são:

–       Flat and House Sharing: apartamentos ou casas particulares divididos com outros estudantes e/ou trabalhadores;

–       Boarding House: quarto individual ou dividido em casa ou apartamento com diversos inquilinos e banheiro comunitário. O contato é direto com o proprietário (landlady ou landlord).[3]

Halls of Residence e Student Housing Associations são as melhores opções para os primeiros meses (se não para toda a estada), pois são mais confiáveis em termos contratuais e qualidade das acomodações. Se conseguir oferta de uma delas com preço razoável, é aconselhável aceitar de imediato. Neste caso, você terá de pagar um depósito para segurar a reserva. Esse depósito normalmente deve ser pago enquanto você ainda está no Brasil e será devolvido ao final de sua estadia se o apartamento/quarto estiver em bom estado. Elas poupam a pessoa de consertos, limpeza, preocupação com segurança, conta de internet, entre outras coisas, pois estas e outras facilidades já estão inclusas no preço. Os banheiros podem ser en suite (no próprio quarto, ou seja, uso individual) ou divididos com um número reduzido de pessoas. As cozinhas são divididas também. Em geral o público é jovem, boa parte da graduação, o que pode significar um pouco de barulho. No entanto, também existem halls voltados exclusivamente para alunos de pós-graduação. Os preços são por semana e não por mês como no Brasil. É provável que você terá de pagar o valor total correspondente ao term (3 meses).

Para preços e condições das moradias da universidade consulte o Accomodation Office da sua instituição de ensino. Para preços e condições das moradias universitárias privadas consulte os links a seguir. Alguns deles oferecem a opção studio (quitinete):

Os contratos dos halls privados são mais interessantes do que o contrato com uma imobiliária ou com um proprietário independente porque requerem menos “comprometimento” em relação ao depósito e outras burocracias. Outro ponto positivo é que, no geral, o que está sendo exposto por esses halls em seus websites é o equivalente ao que você encontrará ao chegar aqui. No entanto, você necessariamente tem de provar sua condição de estudante. Não é aconselhável fechar negócio com uma imobiliária ou com um proprietário independente antes de deixar o Brasil. Isto porque muitas vezes as casas e apartamentos podem não estar nas condições indicadas nas fotos e descrições ou os contratos incluem cláusulas que não favorecem o inquilino. Nestes casos é fundamental visitar o local e ler cuidadosamente o contrato primeiro.

Os halls ainda têm uma vantagem adicional para as pessoas que vêm para o Reino Unido por um longo período (mais de 1 ano). Além de serem uma alternativa mais segura para quem nunca esteve fora do país ou para quem nunca morou no Reino Unido antes, eles oferecem várias oportunidades de socialização nas quais é possível conhecer pessoas e fazer amigos. Assim, não são raros os casos de amigos que, depois de um certo tempo, decidem formar sua própria república, visando a ter mais privacidade e um lugar mais conveniente em termos de preço, localidade e conforto.

As Boarding Houses são muito comuns no Reino Unido. Basicamente a ideia é “alugar um quarto”. Neste sentido, se divide uma casa ou apartamento com desconhecidos. Os novos inquilinos podem ser selecionados ou não pelos moradores da casa, na medida em que é o landlord ou a landlady quem decide aceitá-los ou não. Em alguns casos, no entanto, inquilinos e proprietários decidem juntos. No caso dos Flat and House Sharings são os moradores que escolhem o novo membro da casa e podem haver casos em que você terá de passar por uma entrevista para eles te conhecerem e avaliarem o nível de empatia.

Na maioria das vezes, tanto nos Flat and House Sharings quanto nas Boarding Houses, o quarto já está mobiliado e ele será seu espaço privado na casa. Os outros cômodos (banheiro, cozinha, sala etc.) serão comuns a todos os moradores, que podem ser 2, 3 ou mais pessoas, dependendo do número de quartos disponíveis na casa. Essas opções envolvem a possibilidade de convivência com pessoas que você não sabe se serão novos amigos ou desafetos, pois nem todo mundo tem o mesmo temperamento, estilo de vida e experiência de viver em comunidade. De qualquer maneira, elas são mais flexíveis em relação à presença de convidados para jantar, estudar e dormir, pois tudo será feito de acordo com um consenso entre os próprios moradores da residência. Os sites mais úteis para encontrar esses tipos de acomodação são:

No geral, o melhor lugar para começar a procurar moradia é o site de acomodação das universidades (Accommodation Service), que contém informações sobre as acomodações mencionadas acima, assim como outros serviços úteis. Na maioria dos casos, é necessário criar um cadastro. Recomenda-se que a pessoa se inscreva no maior número possível de halls e que escolha a melhor opção dentre as que tiverem vaga.

Contate o Accommodation Office de sua universidade com a maior antecedência possível para obter listas de acomodação disponíveis. Caso não seja possível conseguir acomodação vinculada à universidade ou college, a responsabilidade pela procura e fechamento do contrato de acomodação é integralmente sua, mas ainda assim o Accommodation Office pode te ajudar. Ele fornece informações sobre os Halls of Residence, pode auxiliar e aconselhar na procura de apartamentos ou quartos no setor privado, na análise de termos contratuais e na resolução de possíveis atritos com proprietários. Portanto, não deixe de contatar o Accommodation Office da sua universidade sempre que necessário.

A lista de discussão da ABEP-UK também é uma excelente fonte de informações nesse sentido. Ela possui uma vasta lista de pessoas cadastradas com diferentes backgrounds de experiência pessoal e profissional que terão prazer em ajudar em situações específicas não cobertas por este manual e pelas fontes de informações aqui sugeridas.

É importante ressaltar que aluguel mais barato não significa, necessariamente, economia. Sempre confirme se estão ou não inclusos no preço eletricidade, imposto (Council Tax), água, internet etc. Verifique também o sistema de aquecimento oferecido. Como o inverno é longo e rigoroso, central heating (a gás) é sempre mais eficiente e barato do que aquecimento elétrico. Às vezes o aluguel é mais barato, mas as contas são separadas. Ou, ao contrário, o aluguel é mais caro, mas não existem gastos extras com contas. Normalmente, você deve pagar um depósito inicial, devolvido ao final do contrato, equivalente a um ou mais meses de aluguel. Preveja isso no seu orçamento. O pagamento é semanal, mensal ou trimestral, dependendo do acordo.

Reflita sobre a relação entre a localidade da sua residência e a frequência do uso de transporte. Em London, por exemplo, é mais barato morar afastado da área central, mas o custo de transporte é caro e aumenta bastante o orçamento de manutenção pessoal básico se você precisa usar ônibus ou metrô todos os dias. Já em Cambridge, o meio mais comum de transporte é a bicicleta. Local, distância e transporte são elementos fundamentais na relação custo-benefício. Portanto, contabilize cuidadosamente os custos antes de tomar uma decisão definitiva. E o mais importante: seja ativo nas suas buscas! Pesquise, leia com atenção, entre em contato frequentemente com as pessoas que podem aconselhá-lo ou ajudá-lo, converse com pessoas que já passaram pela mesma situação que você. É o seu interesse e conforto que estão em jogo e ninguém vai se empenhar mais do que você mesmo para conseguir o que você precisa.

 Dicas Úteis:

Se você tem filhos, é recomendável chegar sozinho(a) e com bastante antecedência em relação ao início das aulas para providenciar acomodação antes de receber a família.

A maioria das acomodações oferecidas é mobiliada. Entretanto, sempre haverá necessidade de se adquirir alguns ítens. Neste sentido, considere a compra de artigos usados. Comprar/vender artigos de segunda mão é uma prática comum entre os britânicos. Para tanto, existem os murais nas universidades, jornais e websites locais, além das lojas de caridade (charity shops), que oferecem desde casacos até televisão por preços muito tentadores. Alguns exemplos destas lojas são: British Heart Foundation, Oxfam etc. Ter uma conta no ebay (www.ebay.co.uk) para negociar artigos não desejados de segunda mão e mesmo novos também é muito comum.

         4.2.3. Água, Gás e Eletricidade

As empresas prestadoras de serviços públicos (água, gás, eletricidade e telefone) podem ou não exigir o pagamento de um depósito adiantado para iniciar a prestação de serviços. Esses depósitos poderão ser utilizados na amortização das primeiras contas, devolvidos ao final do seu contrato ou depois de certo período de tempo. Não existe um padrão no pagamento das contas. No caso das contas de água, luz, gás e telefone fixo, o pagamento pode ser tanto mensalmente quanto trimestralmente ou semestralmente, dependendo da escolha do(s) responsável(eis) pela residência. As despesas com eletricidade e gás, em particular, podem ser elevadas durante o inverno em função do aquecimento.

De acordo com o UK Border Agency (UKBA), o custo de vida básico[4]de uma pessoa solteira que vem para o Reino Unido fazer um curso de pós-graduação é de:

–       £1,000 por mês, morando em London;

–       £800 por mês, morando fora de London.[5]

Para uma ideia geral sobre o orçamento básico com acompanhante(s), consulte a página do UKBA (www.ukba.homeoffice.gov.uk) na seção sobre requisitos para obtenção de vistos. Nela você encontrará informações confiáveis sobre o custo geral de vida no UK, pois os valores que eles apresentam sempre refletem o cenário atual, corrigidos com o aumento da inflação. Os links abaixo também ajudam a ter uma noção mais precisa de gastos básicos:

International Student Calculator: http://international.studentcalculator.org.uk/further-information/accommodation

WORKgatewayswww.workgateways.com/working-cost-of-living.html

4.2.4. Telefone, Internet e Licença de TV

– Telefone

Logo de chegada, a melhor opção para se ligar para o Brasil são os Pre-paid International Calling Cards (cartão de ligação internacional pré-pago). Eles podem ser comprados em praticamente qualquer newsagent (banca de jornal) e com eles geralmente pode-se ligar tanto de telefones públicos quanto de telefones residenciais. Existem cartões de inúmeras companhias com qualidade de serviço variável. Uma vez já instalado você pode adquirir um linha telefônica. Comparativamente, o gasto com conta telefônica no Reino Unido é menor do que no Brasil (se fala mais por consideravelmente menos), mas isto não quer dizer que ligações internacionais sejam baratas, principalmente em relação aos países fora da Europa como o Brasil.

As ligações para o Brasil a partir de linhas telefônicas fixas variam de £1,08 a £1,38 por minuto. Algumas companhias especializadas em ligações internacionais “redirecionam” as ligações para os números no Brasil e oferecem taxas bem melhores do que as companhias de telefonia fixa comuns (£0.01 por minuto de linha fixa no UK para linha fixa no Brasil, por exemplo). Algumas delas são: Swiftcall (www.swiftcall.ie), Planet Numbers (www.planet-numbers.co.uk/phone_Brazil.jsp) e Dial to Save (www.dialtosave.co.uk/brazil). Entretanto, as companhias de telefonia fixa como a BT, por exemplo, oferecem os melhores preços para ligações locais.

A maior parte das pessoas, no entanto, adquire um contrato pós-pago de celular. Existem várias operadoras disponíveis, mas é bom ficar atento antes de fechar negócio, pois ou a opção de ligações internacionais para países fora da Europa não é interessante ou as tarifas de ligações internacionais são boas e as de ligações locais não. As melhores operadoras para estes dois casos atualmente são O2 e T-Mobile, que oferecem boa cobertura, tarifas de ligações locais dentro da média e preços de ligação para o Brasil de £0,02 a £0,05 o minuto. Caso você prefira um sim card pré-pago apenas, a melhor opção é Lebara, por oferecer os mesmos benefícios sem a necessidade de um contrato.

– Internet

O Skype também é um ótima opção para falar no Brasil (bem como em outras partes do mundo), pois além dos preços das ligações serem baratos, você não precisa pagar nada caso seus amigos e familiares também possuam uma conta Skype e estejam online na mesma hora que você. Basta apenas ter uma boa conexão de internet. Cafés espalhados pela cidade e a própria universidade oferecem esse serviço de graça. Você também pode obter um linha de internet residencial.

Existem várias opções de contrato para broadband e o processo e documentação exigida depende da companhia que você escolher. No geral, não é difícil obter um contrato, mas a instalação da linha pode demorar de 2 a 4 semanas. As companhias mais populares são a BT Infinity, Virgin Media e Talk Talk. O preço varia entre £15 e £55 por trimestre, dependendo se a quantidade de GB é ilimitada, se tem um limite e de quanto é esse limite.

Uma alternativa são os planos de internet oferecidos pelas operadoras de celular, que podem ser adicionados como parte do pacote no contrato pós-pago. Fique atento, no entanto, para a capacidade de download oferecida. Uma boa pesquisa comparando preços e condições das linhas telefônicas + serviço de broadband pelas empresas de celular é sempre a forma mais segura de evitar problemas no futuro.

 – Licença de TV

 No Reino Unido, diferente do Brasil, uma casa assistindo ou gravando uma transmissão de televisão em qualquer tipo de aparelho (televisão, computador, tablets etc.) é obrigada a ter uma licença de TV (TV Licence). Desde abril de 2010 o valor anual dessa licença é de £145.50, podendo o pagamento ser realizado à vista ou divido em parcelas. Para maiores informações sobre como obter uma TV Licence: www.tvlicensing.co.uk/check-if-you-need-one/for-your-home/students-aud1.

Atenção! Atualmente é muito comum o uso de computadores e laptops para assistir programas de TV online. Tome cuidado com esse tipo de transmissão. Estudantes que forem pegos assistindo TV online sem licença podem receber uma multa de até £1,000. Assim, procure sempre saber quais tipos de programa permitem acesso em tempo real da transmissão caso você não possua uma licença.

Dica Útil: 

            Como fazer ligações internacionais:

–       00 + 55 + DDD + Núm. Tel. (Do UK para o Brasil)

–       00 + Operadora + 44 + Núm. Tel. sem o primeiro zero (Do Brasil para o UK)

–       0800 890 055 + DDD (sem o zero) + Núm. Tel. (Do UK para o Brasil a cobrar.

Atenção! Só recomendamos este recurso em casos de emergência, pois a tarifa desse tipo de chamada no Brasil é muito alta.)